Prazo para atualizar o Cadastro Único se encerra nesta sexta-feira (14/10)

Famílias que não regularizarem os registros podem perder direito a benefícios

298
Auxilio Brasil
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Publicidade

Se encerra nesta sexta-feira (14/10) o prazo para que cerca de 263 mil famílias de todo o Brasil, conforme dados do Ministério da Cidadania, atualizem os dados referentes ao Cadastro Único (CadÚnico), cujo sistema dá acesso a famílias de baixa renda a uma série de benefícios governamentais, entre eles o Auxílio Brasil e a Tarifa Social de Energia Elétrica.

Para os mineiros, a atualização pode ser feita em diversos postos físicos como os Centros de Referência de Assistência Social (Cras) espalhados por todo o estado e também pela internet. Se a escolha for via internet, o responsável pela Unidade Familiar pode usar o celular e acessar o aplicativo do CadÚnico, disponível gratuitamente nas lojas Google Play (Android) e Apple Store (iOS) e verificar se há algum dado a ser corrigido. Caso a resposta for afirmativa, um dos postos físicos deverá ser procurado.

O responsável pela Unidade Familiar deve levar seu CPF ou título de eleitor até o posto cadastral e também algum documento para cada pessoa da família, tais como certidões de nascimento ou casamento, CPF, RG, Carteira de Trabalho, Título de Eleitor e Registro Administrativo de Nascimento Indígena (Rani), se a pessoa for indígena.

As atualizações também devem ser feitas nos casos em que o beneficiário mudar de endereço ou telefone, tiver alguma alteração em sua renda mensal ou no estado civil e quando houver algum nascimento, adoção ou morte de membro da família. Caso a família fique mais de quatro anos sem atualizar os dados, seu registro pode ser excluído do CadÚnico. Segundo o governo federal, as alterações devem ser feitas com no máximo dois anos entre uma e outra.

Até o fim do ano, as pessoas com o cadastro regular no CadÚnico recebem R$ 600 mensais referentes ao Auxílio Brasil. No mês de setembro, foram 21,1 milhões de famílias atendidas.

FONTEAgência Minas
Artigo anteriorEmpreendedores do DF têm acesso a crédito com até 36 meses para pagar
Próximo artigoDetran-DF tem concurso aberto para 366 vagas
Jornalista formada em Brasília tendo a Capital Federal como principal cenário de atuação nos segmentos de revista, internet, jornalismo impresso e assessoria de imprensa. Infraero, Engenho Comunicação, Portal Fato Online e Câmara em Pauta, Revista BNC, Assessoria de Comunicação do Sesc-DF, Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Rádio Nacional da Amazônia e Jornal GuaráHOJE/Cidades são algumas das empresas nas quais teve a oportunidade de trabalhar com alguns dos renomados nomes do jornalismo no Brasil, e não perdeu nenhuma chance de aprender com esses profissionais. Na televisão, atuou na TV local de Patos de Minas em 2017, além de experiências acadêmicas. Ana Paula Oliveira nasceu em Bonfinópolis de Minas e foi morar em Brasília aos 14 anos e retorna à cidade natal em 2018. Durante os 20 anos em que passou na capital, a bonfinopolitana não desperdiçou as chances de crescer como pessoa e também como profissional, com garra e determinação. Além disso, conquistou algo não menos fundamental na sua caminhada: amigos. Isso mesmo. Para a jornalista não ter verdadeiros amigos significa ter uma vida vazia. E, com certeza, esse é um dos seus objetivos, fazer novos amigos nessa nova jornada da vida.