20.5 C
Brasília
sexta-feira, junho 21, 2024
Banner Anuncio
Mais...

    Doenças comuns nos anos 70 podem retornar devido à baixa procura pela vacinação infantil

    A vacinação é a forma mais eficaz e segura de proteção contra doenças infecciosas, mas, nos últimos anos, dados do Programa Nacional de Imunização mostram baixos índices de cobertura em todo o país. De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), 742 municípios estão com alto risco de reintrodução de doenças que poderiam ser evitadas com a imunização de crianças menores de 2 anos.

    Diante deste cenário, o Governo de Minas Gerais lançou uma campanha para conscientizar a população sobre a importância da vacinação. A estratégia de incentivo à imunização começou a ser divulgada na televisão, rádio e internet em 27/11 e traz o depoimento de Carlos Eduardo Rodrigues Vale, de 49 anos. Morador de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), ele teve poliomielite aos 2 anos, época em que a vacinação contra a doença ainda não era difundida.

    “A vida continua, sem dúvida nenhuma. Acredito que mesmo uma pessoa com sequelas pode almejar a felicidade, mas é dever dos pais corroborar para que a felicidade seja plena, com saúde, sem situações adversas. E a vacina é sim um dos mecanismos que faz com que essa trajetória seja muito mais leve, sem outras complicações que possam, de repente, não só desfazer o sonho de quem não foi vacinado, mas de um pai e uma mãe que veem o filho nesta situação”, diz o diretor de esportes.

    Meta

    Prorrogada duas vezes em 2022, a campanha de vacinação contra a poliomielite em Minas não atingiu a meta de 95% preconizada pelo Ministério da Saúde. Durante a campanha, 881.235 mil crianças com idades entre 1 e 4 anos foram vacinadas, o que equivale a 84,30% do público estimado, de acordo com o Painel do Ministério da Saúde em 28/11/2022.

    A vacina contra a Poliomielite faz parte do Calendário Nacional de Vacinação, é distribuída pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e está disponível nas unidades básicas de saúde.

    A vacinação é reconhecida como uma das intervenções de saúde pública mais bem-sucedidas. Por meio da vacinação é possível proteger contra as doenças e suas complicações. Quando uma pessoa é vacinada, ela não protege só a si mesma, mas protege também as pessoas próximas e a coletividade. Por isso, é importante manter o cartão de vacinação atualizado.

    Cobertura vacinal em Minas

    De acordo com o Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SIPNI), em 2021, Minas Gerais ficou na sexta posição no ranking nacional em relação à vacinação contra a poliomielite em crianças menores de 1 ano. Já com relação às crianças de 1 ano, o estado ficou na quarta posição na classificação nacional para a vacina em 2021.

    No cenário da tríplice viral, que protege contra o sarampo, rubéola e caxumba, Minas Gerais ficou na quinta posição nacional na cobertura vacinal da primeira dose em crianças de 1 ano de idade, e na terceira para a segunda dose, no ano passado. De janeiro a junho de 2022, a cobertura da primeira dose da tríplice viral em Minas foi de 74,44% e, da segunda dose, 53,95%, conforme dados do SIPNI em 14/11. A meta do Ministério da Saúde também é de 95%.

    Já a Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza, que também atende ao público adulto, teve grande redução de cobertura vacinal nos últimos anos. Em 2020, houve imunização de 103% do público-alvo. Em 2022, até o momento, a cobertura na campanha foi de 78,5%.

    Ações e sensibilização

    Além de buscar sensibilizar os mineiros sobre a necessidade de seguir o calendário e manter o cartão de vacinação em dia, a Secretaria de Estado de Saúde realiza outras ações nesse sentido nos municípios, que vão desde a elaboração e divulgação de documentos técnicos, passando por reuniões com as referências do programa de imunizações para atualização e discussão de dúvidas das Unidades Regionais de Saúde e a vigilância dos chamados Eventos Supostamente Atribuíveis a Vacinação ou Imunização (Esavi) para o aumento da confiabilidade das vacinas.

    Segundo a coordenadora do Programa de Imunizações da SES-MG, Josianne Dias Gusmão, o cenário de baixas coberturas vacinais é uma preocupação do Estado e por isso, são realizadas ações estratégicas em diversas frentes para garantir que as campanhas e a vacinação de rotina alcancem os públicos-alvo com a cobertura preconizada pelo Ministério da Saúde.

    “Podemos destacar a parceria com a UFMG, por meio de uma pesquisa-ação; também a vigilância intersetorial de indicadores realizada pelo Gamov; a capacitação dos profissionais que atuam nas salas de vacina em parceria com a Escola de Saúde Pública (ESP); a análise, elaboração e divulgação da Classificação de Risco para a Reintrodução de Doenças Imunopreveníveis em menores de dois anos de idade; além de ações de mobilização social, promovidas em parceria com todos os 853 municípios, a fim de sensibilizar a população sobre a importância da vacinação. As vacinas salvam vidas, faça sua parte e mantenha seu cartão de vacina atualizado”, destaca a coordenadora.



    Sobre Ana Paula Oliveira
    Jornalista formada em Brasília tendo a Capital Federal como principal cenário de atuação nos segmentos de revista, internet, jornalismo impresso e assessoria de imprensa. Infraero, Engenho Comunicação, Portal Fato Online e Câmara em Pauta, Revista BNC, Assessoria de Comunicação do Sesc-DF, Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Rádio Nacional da Amazônia e Jornal GuaráHOJE/Cidades são algumas das empresas nas quais teve a oportunidade de trabalhar com alguns dos renomados nomes do jornalismo no Brasil, e não perdeu nenhuma chance de aprender com esses profissionais. Na televisão, atuou na TV local de Patos de Minas em 2017, além de experiências acadêmicas.
    Ana Paula Oliveira nasceu em Bonfinópolis de Minas e foi morar em Brasília aos 14 anos e retorna à cidade natal em 2018. Durante os 20 anos em que passou na capital, a bonfinopolitana não desperdiçou as chances de crescer como pessoa e também como profissional, com garra e determinação. Além disso, conquistou algo não menos fundamental na sua caminhada: amigos. Isso mesmo. Para a jornalista não ter verdadeiros amigos significa ter uma vida vazia. E, com certeza, esse é um dos seus objetivos, fazer novos amigos nessa nova jornada da vida..

    Destaques

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    redes sociais

    0FãsCurtir
    0SeguidoresSeguir

    RECENTES