20.5 C
Brasília
domingo, abril 14, 2024
Banner Anuncio
Mais...

    7ª edição do Mutirão de Cirurgias Reparadoras de Mama do DF vai até domingo (9)

    Vai até domingo (9), no Hospital Regional de Taguatinga (HRT), a 7ª edição do Mutirão de Cirurgias Reparadoras de Mama, para mulheres que passaram por mastectomia total ou parcial devido a tratamento de câncer. A previsão é que cerca de 60 pacientes recebam próteses. Iniciada nesta segunda-feira (3), a ação da Secretaria de Saúde do Distrito Federal faz alusão ao Outubro Rosa, mês de prevenção do câncer de mama.

    O mutirão tem como objetivo devolver às mulheres qualidade de vida e aumento da autoestima. “Durante a pandemia, a quantidade de cirurgias caiu um pouco, mas nós sempre fizemos esse mutirão no mês outubro. Este ano, a programação é atender entre 50 e 60 pacientes, todas assistidas pelo SUS, que já passaram ou vão passar por cirurgia de mastectomia. Geralmente, as que foram operadas ficaram com assimetria importante de mama ou defeitos na mama operada”, explicou a gerente de Assistência Cirúrgica do HRT, Aline Catunda.

    Todas as próteses utilizadas no mutirão foram obtidas por meio de doações. No mercado, cada par do material custa cerca de R$ 3 mil. “O tratamento cirúrgico é todo custeado pelo SUS e este ano tivemos empresas que doaram as próteses. Os médicos são da Secretaria de Saúde, mas atuam como voluntários. São anestesistas, cirurgiões plásticos e pessoal da enfermagem. Acompanhei o mutirão durante os sete anos de sua existência, sendo esta a primeira vez que acompanho como gerente. É gratificante ver as pacientes saindo felizes, algumas que estão esperando há mais de seis meses, um ano. A gente consegue mudar a vida das pessoas”, destacou.

    Enfermeira do centro cirúrgico que acompanha o mutirão desde a primeira edição, Mônica Dias falou sobre a satisfação que é participar das cirurgias de reconstrução de mama. “É muito bom resgatar a autoestima das mulheres. Só quem perde um seio para saber o quanto faz falta. É muito bom ver novamente o sorriso dessas mulheres que sofreram com o câncer, fizeram quimioterapia e agora estão resgatando a autoestima”, disse Mônica. A faixa etária das mulheres que fazem a cirurgia de reconstrução da mama vai de 45 a 60 anos, mas há também algumas mais novas.

    Além de receber a prótese mamária, faz parte do mutirão uma equipe de tatuadores que faz as auréolas dos seios em 3D. Algumas pacientes são submetidas à cirurgia reparadora no mesmo dia em que é feita a mastectomia. De acordo com a médica Izabelle Montanha, referência técnica distrital de Cirurgia Plástica, a ação motiva a colaboração de inúmeras fontes.

    “Temos anestesistas, médicos residentes, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, nutricionistas e psicólogos. Todos são voluntários que doam seu tempo e expertise para auxiliar essas mulheres. Além disso, recebemos doações de implantes mamários de silicone e a direção do hospital oferece as salas cirúrgicas e os insumos básicos das cirurgias e internações”, destaca.

    Ana Paula Oliveira
    Ana Paula Oliveirahttp://www.diariodebonfinopolis.com.br
    Jornalista formada em Brasília tendo a Capital Federal como principal cenário de atuação nos segmentos de revista, internet, jornalismo impresso e assessoria de imprensa. Infraero, Engenho Comunicação, Portal Fato Online e Câmara em Pauta, Revista BNC, Assessoria de Comunicação do Sesc-DF, Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Rádio Nacional da Amazônia e Jornal GuaráHOJE/Cidades são algumas das empresas nas quais teve a oportunidade de trabalhar com alguns dos renomados nomes do jornalismo no Brasil, e não perdeu nenhuma chance de aprender com esses profissionais. Na televisão, atuou na TV local de Patos de Minas em 2017, além de experiências acadêmicas. Ana Paula Oliveira nasceu em Bonfinópolis de Minas e foi morar em Brasília aos 14 anos e retorna à cidade natal em 2018. Durante os 20 anos em que passou na capital, a bonfinopolitana não desperdiçou as chances de crescer como pessoa e também como profissional, com garra e determinação. Além disso, conquistou algo não menos fundamental na sua caminhada: amigos. Isso mesmo. Para a jornalista não ter verdadeiros amigos significa ter uma vida vazia. E, com certeza, esse é um dos seus objetivos, fazer novos amigos nessa nova jornada da vida.

    Related Articles

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Stay Connected

    0FãsCurtir
    0SeguidoresSeguir
    0InscritosInscrever
    - Advertisement -spot_img

    Latest Articles