20.5 C
Brasília
quarta-feira, maio 22, 2024
Banner Anuncio
Mais...

    DF tem rede completa de descarte para resíduos especiais de saúde

    O descarte de resíduos especiais demanda tratamento diferenciados em todas as etapas do seu gerenciamento. Por causa de fatores como tamanho, peso, nível de periculosidade, capacidade de degradação ou outras particularidades, eles não podem ser jogados no lixo comum ou no reciclável, pois representam uma ameaça para a saúde da população e para o meio ambiente. É necessário garantir que sejam devidamente coletados, transportados, armazenados e destinados de forma segura e responsável.

    Para entender como funciona o descarte correto de cada resíduo, o Serviço de Limpeza Urbana do Distrito Federal (SLU) disponibiliza em seu site os locais de entrega de cada material considerado especial.

    “O SLU orienta sobre os procedimentos corretos a serem seguidos, a fim de evitar danos irreversíveis ao meio ambiente e à saúde pública”

    Silvio Vieira, diretor-presidente do SLU

    De acordo com o diretor-presidente do SLU, Silvio Vieira, é fundamental que a população tenha consciência sobre a importância de não descartar resíduos especiais de forma inadequada. “O SLU orienta sobre os procedimentos corretos a serem seguidos, a fim de evitar danos irreversíveis ao meio ambiente e à saúde pública”, afirma Silvio.

    Medicamentos

    Jogar remédios no lixo comum, no reciclável ou no vaso sanitário pode prejudicar os garis e o meio ambiente | Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

    A destinação adequada dos medicamentos é vital para preservação do meio ambiente e a garantia da saúde pública. Jogar remédios no lixo comum, no reciclável ou no vaso sanitário é um grande equívoco que pode resultar em graves consequências.

    Os medicamentos e as embalagens deles, mesmo que estejam vazias, contêm substâncias químicas que podem contaminar os sistemas de tratamento de esgoto. Além disso, a contaminação do solo e dos mananciais pode afetar a flora e a fauna local, comprometendo os ecossistemas naturais.

    “Em nosso centro de triagem chegam resíduos infectantes que não deveriam estar lá, como seringas e luvas usadas”

    Leonardo Yamada, coordenador de Recuperação de Orgânicos, Disposição e Destinação Final

    Áreas verdes e espaços urbanos também são impactados pelo descarte irregular, uma vez que essas substâncias tóxicas podem se acumular no ambiente e representar risco para a saúde da população e dos garis que recolhem os resíduos infectantes descartados em lixo comum.

    “Em nosso centro de triagem chegam resíduos infectantes que não deveriam estar lá, como seringas e luvas usadas. Além de não beneficiar a coleta seletiva, coloca em risco a saúde dos trabalhadores que fazem a triagem desses resíduos”, alerta Leonardo Yamada, coordenador de Recuperação de Orgânicos, Disposição e Destinação Final.

    As farmácias são obrigadas a receber os medicamentos vencidos | Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília

    As farmácias, obrigadas pela Lei Distrital nº 5092/2013 a receber os medicamentos vencidos, devem contratar uma companhia especializada para concluir o descarte com a queima dos insumos. De acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), as unidades devem receber esses resíduos e armazená-los até que sejam coletados pelos respectivos distribuidores sem risco de contaminação.

    Essa iniciativa amplia a chamada logística reversa, que consiste em fazer com que as mesmas empresas que colocam os produtos no mercado façam também o recolhimento do que sobra e executem o devido descarte deles.

    Empresas farmacêuticas

    A incineração é a solução segura e definitiva para empresas que precisam fazer o tratamento de medicamentos vencidos. Durante o processo do tratamento, os resíduos farmacêuticos são queimados em câmaras especiais que produzem temperaturas superiores a 800º C. Apesar da alta temperatura, o método é realizado tendo em vista o controle de emissões atmosféricas.

    Desse modo, é necessário que as empresas farmacêuticas contratem um fornecedor especializado no serviço de coleta dos produtos, que propicia a destinação final correta para os materiais fazendo sua combustão.

    O Governo do Distrito Federal (GDF) também atende a essa exigência e, por licitação, contratou uma empresa que faz a prestação do serviço de coleta, transporte, tratamento e disposição final dos resíduos de saúde potencialmente infectantes (grupo A), químicos (grupo B) e perfurocortantes (grupo E). A empresa atende todas as normas ambientais e de segurança do trabalho.

    Bolsas de colostomia

    As bolsas de colostomia são consideradas materiais hospitalares e, portanto, não devem ser descartadas no lixo comum ou nas ruas. Hospitais, clínicas, farmácias e laboratórios têm sistemas de coleta específicos para esse tipo de material.

    Em casa, é importante descartar o conteúdo sujo da bolsa no vaso sanitário e colocar a própria bolsa em um saco branco identificado como “infectante”. Em seguida, o lixo deve ser descartado em locais apropriados, como hospitais, policlínicas ou postos de saúde.

    Radiografias

    As chapas de raio-X não podem ser jogadas no lixo, pois contêm substâncias tóxicas que podem prejudicar o meio ambiente e a saúde

    As chapas de raio-X não podem ser jogadas no lixo, pois contêm substâncias tóxicas que podem prejudicar o meio ambiente e a saúde. A amônia, cromo e metanol presentes nessas chapas podem contaminar o solo e a água, causando danos irreparáveis. Portanto, é fundamental destinar corretamente as radiografias.

    As radiografias são feitas com uma chapa de acetato, um tipo de plástico que leva mais de 100 anos para se decompor naturalmente. Além de ser uma ameaça ao meio ambiente, o acetato é derivado do petróleo, cuja extração traz consequências negativas para o planeta, como a emissão de gases estufa.

    Outro ponto é a presença de grãos de prata sensíveis à luz na superfície das chapas de raio-X. A prata, assim como outros metais pesados, é altamente poluente e pode causar sérios problemas de saúde, como danos renais, motores e neurológicos. É proibido pela legislação a liberação dessas substâncias no ambiente.

    No Distrito Federal, existem pontos de descarte de radiografias em todas as regiões administrativas, que fazem o descarte correto ou encaminham para empresas de reaproveitamento. Até mesmo o transporte deste material é criterioso. É necessária a emissão de um recibo pelo material poluente e o material precisa ser acondicionado em um veículo corretamente.

    Pontos de Entrega Voluntária (PEVs)

    Os pontos de Entrega Voluntária (PEVs) são áreas ou recipientes instalados em locais apropriados e cuidadosamente escolhidos para receber os resíduos para a logística reversa que é o caso das radiografias.

    Nestes locais, os consumidores entregam, voluntariamente, os materiais pós-consumo e ajudam de forma ambientalmente correta. “O SLU disponibiliza programas de educação ambiental para conscientizar a população sobre o descarte correto de cada resíduo. A participação de todos é muito importante no processo de reciclagem, seja para preservar o meio ambiente ou a saúde de nossos garis e catadores que merecem o cuidado e respeito pelo trabalho que exercem”, afirma Silvio Vieira.

    Para ter acesso aos locais de descarte de resíduos especiais em todo o Distrito Federal, acesse este link.



    Sobre Ana Paula Oliveira
    Jornalista formada em Brasília tendo a Capital Federal como principal cenário de atuação nos segmentos de revista, internet, jornalismo impresso e assessoria de imprensa. Infraero, Engenho Comunicação, Portal Fato Online e Câmara em Pauta, Revista BNC, Assessoria de Comunicação do Sesc-DF, Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Rádio Nacional da Amazônia e Jornal GuaráHOJE/Cidades são algumas das empresas nas quais teve a oportunidade de trabalhar com alguns dos renomados nomes do jornalismo no Brasil, e não perdeu nenhuma chance de aprender com esses profissionais. Na televisão, atuou na TV local de Patos de Minas em 2017, além de experiências acadêmicas.
    Ana Paula Oliveira nasceu em Bonfinópolis de Minas e foi morar em Brasília aos 14 anos e retorna à cidade natal em 2018. Durante os 20 anos em que passou na capital, a bonfinopolitana não desperdiçou as chances de crescer como pessoa e também como profissional, com garra e determinação. Além disso, conquistou algo não menos fundamental na sua caminhada: amigos. Isso mesmo. Para a jornalista não ter verdadeiros amigos significa ter uma vida vazia. E, com certeza, esse é um dos seus objetivos, fazer novos amigos nessa nova jornada da vida..

    Destaques

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    redes sociais

    0FãsCurtir
    0SeguidoresSeguir

    RECENTES