20.5 C
Brasília
quinta-feira, maio 23, 2024
Banner Anuncio
Mais...

    Hemocentro passa a realizar teste para detectar malária em sangue doado

    A Fundação Hemocentro de Brasília (FHB) iniciou a testagem com base em biologia molecular para detecção de malária nas amostras dos doadores de sangue. Desenvolvido e produzido pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos da Fundação Oswaldo Cruz (Bio-Manguinhos/Fiocruz), o kit de diagnóstico utilizado no laboratório de testagem de ácido nucleico, o NAT Plus, é o primeiro do mundo a fazer uso da tecnologia para a detecção da malária.

    A nova metodologia teve seu uso iniciado em novembro de 2023 no Hemocentro; de lá para cá, mais de 10 mil testes já foram realizados | Foto: Divulgação/Hemocentro

    O objetivo do teste é evitar a transmissão da doença por meio da transfusão de sangue. “A malária é uma doença que pode ser transmitida pelo sangue. Caso um paciente que já está debilitado tenha contato com um sangue contaminado, ele pode ter uma reação transfusional grave e adquirir a doença”, explica a diretora de Laboratórios do Hemocentro de Brasília, Renata Alencar.

    O Hemocentro de Brasília é um dos centros testadores habilitados para a metodologia NAT Plus pelo Ministério da Saúde no Brasil. Além das amostras do Distrito Federal, a FHB também é responsável atualmente pelo processamento do sangue de doadores do Acre e do Tocantins

    O teste biomolecular é capaz de identificar o material genético do plasmodium da malária, o que aumenta a sua eficácia. Antes, o doador de sangue precisava cumprir impedimento temporário após viagem para áreas endêmicas da doença, e era, em seguida, submetido a um teste rápido para detecção de anticorpos.

    “Hoje estamos utilizando o padrão ouro. Você ainda tem uma janela imunológica, porque precisamos da replicação do protozoário para a detecção do material genético. Mas você diminui essa janela em relação ao teste rápido, que depende da produção de anticorpos. Isso significa mais segurança transfusional”, aponta Renata.

    O Hemocentro de Brasília é um dos centros testadores habilitados para a metodologia NAT Plus pelo Ministério da Saúde no Brasil. Além das amostras do Distrito Federal, a FHB também é responsável atualmente pelo processamento do sangue de doadores do Acre e do Tocantins. A nova metodologia teve seu uso iniciado em novembro de 2023 no Hemocentro. De lá para cá, mais de 10 mil testes já foram realizados.

    Além da malária, o laboratório NAT Plus também realiza testes biomoleculares para HIV, hepatite B e hepatite C. O kit NAT Plus é utilizado ainda para amostras de doadores de órgãos ou doadores mortos por parada cardiorrespiratória, aumentando a segurança dos transplantes de órgãos.

    Malária

    A malária é uma enfermidade febril aguda causada pelo parasita plasmodium, que é transmitido pela picada de uma fêmea infectada do mosquito Anopheles, mas também pode ser transmitida por transfusão de sangue e transplante de órgãos.

    Os sintomas, incluindo febre, dor de cabeça e calafrios, aparecem geralmente entre dez e 15 dias após a picada e podem ser leves e difíceis de reconhecer como malária. Se não for tratada, a doença pode progredir para quadros graves e morte.

    No Hemocentro de Brasília, viagens para áreas endêmicas de malária impedem a doação por 30 dias. As áreas endêmicas no Brasil são Região Norte, Mato Grosso e Maranhão. Algumas áreas endêmicas no exterior são África do Sul, Angola, Bolívia, Cabo Verde, Camboja, China, Colômbia, Costa Rica, Egito, Filipinas, Índia, Indonésia, Marrocos, México, Panamá, Paraguai, Peru, Tailândia, Turquia, Venezuela, Vietnã e Zimbábue.



    Sobre Ana Paula Oliveira
    Jornalista formada em Brasília tendo a Capital Federal como principal cenário de atuação nos segmentos de revista, internet, jornalismo impresso e assessoria de imprensa. Infraero, Engenho Comunicação, Portal Fato Online e Câmara em Pauta, Revista BNC, Assessoria de Comunicação do Sesc-DF, Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Rádio Nacional da Amazônia e Jornal GuaráHOJE/Cidades são algumas das empresas nas quais teve a oportunidade de trabalhar com alguns dos renomados nomes do jornalismo no Brasil, e não perdeu nenhuma chance de aprender com esses profissionais. Na televisão, atuou na TV local de Patos de Minas em 2017, além de experiências acadêmicas.
    Ana Paula Oliveira nasceu em Bonfinópolis de Minas e foi morar em Brasília aos 14 anos e retorna à cidade natal em 2018. Durante os 20 anos em que passou na capital, a bonfinopolitana não desperdiçou as chances de crescer como pessoa e também como profissional, com garra e determinação. Além disso, conquistou algo não menos fundamental na sua caminhada: amigos. Isso mesmo. Para a jornalista não ter verdadeiros amigos significa ter uma vida vazia. E, com certeza, esse é um dos seus objetivos, fazer novos amigos nessa nova jornada da vida..

    Destaques

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    redes sociais

    0FãsCurtir
    0SeguidoresSeguir

    RECENTES