Paulo Gustavo se foi. Ele e outros milhares poderiam não ter ido

Com mais essa perda, não seria a hora da classe artística se mobilizar? A maioria dos artistas tem recursos financeiros e, por meio da arte e da ação, podem se mexer, ir além das redes sociais ou utilizá-las de forma mais objetiva, com um propósito maior

229
PG
PG

Paulo Gustavo era amor, emoção, alegria, luz e, durante os 53 dias de internação infectado pela Covid-19, mostrou como era forte o seu amor pela vida, pelos seus familiares, amigos e pela legião de fãs no Brasil inteiro. Será que uma perda tão grande vai ser em vão? Pouco a pouco, desde o início da pandemia, muitos perderam as forças, a motivação e, com isso, passaram a desacreditar no poder de ação de cada um, justo em um momento em que é preciso lutar pelo país?

Partiu mais um dos nossos

Em uma de suas últimas aparições em rede nacional o humorista brasileiro dizia que o amor é ação e não só palavras. Entre as milhares de famílias que perderam entes queridos, estão dezenas de artistas. Com mais essa perda, não seria a hora da classe artística se mobilizar? A maioria dos artistas tem recursos financeiros e, por meio da arte e da ação, podem se mexer, ir além das redes sociais ou utilizá-las de forma mais objetiva, com um propósito maior.

O carisma e o amor de amigos, familiares e fãs, ficou, ainda mais evidente, com as inúmeras mensagens de carinho na despedida do artista, mas é preciso ir além. Os artistas têm força e devem usá-la agora. Todo o talento de Paulo Gustavo não pode ficar apenas como legado. Deve ser um marco na pandemia. Uma abertura para tempos melhores, com mais ação, entusiasmo e esperança.

411.588 vidas

A gravidade da Covid-19, ainda negada por muitos e tratada sem a responsabilidade necessária, principalmente no Brasil, já levou mais de 411.588 vidas, de acordo com o último levantamento do Ministério da Saúde, divulgado, nessa terça-feira (04/05). As restrições impostas pela doença e desrespeitadas por muitos, ainda são a melhor forma de prevenir o contágio, conforme orienta a ciência, desde o início da pandemia.

Milhares poderiam não ter ido  

A perda de muitas das vítimas fatais da Covid-19 poderia ter sido evitada, não só pela compra de vacinas, antes mesmo de serem aprovadas, como alguns países fizeram, mas também por diversas ações que o governo federal poderia ter deliberado. Da ajuda financeira imediata até o trabalho conjunto com estados e municípios. Além disso, a própria falta de tato do presidente Jair Bolsonaro em se relacionar, inclusive com sua própria equipe, desencadeou um caos, que talvez muitas gerações não tenham visto.

Quando se trata de saúde pública. Tudo é importante. As palavras proferidas pelo líder da nação em meio a uma crise podem trazer esperança, conforto ou podem provocar o pânico, o desânimo e a falta de crença no potencial de cada um. As constantes declarações de Bolsonaro tiveram repercussão internacional. Por elas ou não, o mercado financeiro foi impactado negativamente.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorInscrições para o Enem 2020 começam nesta segunda-feira
Próximo artigoCurso de Aperfeiçoamento em Educação e Tecnologia é disponibilizado pelo MEC
Jornalista formada em Brasília tendo a Capital Federal como principal cenário de atuação nos segmentos de revista, internet, jornalismo impresso e assessoria de imprensa. Infraero, Engenho Comunicação, Portal Fato Online e Câmara em Pauta, Revista BNC, Assessoria de Comunicação do Sesc-DF, Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Rádio Nacional da Amazônia e Jornal GuaráHOJE/Cidades são algumas das empresas nas quais teve a oportunidade de trabalhar com alguns dos renomados nomes do jornalismo no Brasil, e não perdeu nenhuma chance de aprender com esses profissionais. Na televisão, atuou na TV local de Patos de Minas em 2017, além de experiências acadêmicas. Ana Paula Oliveira nasceu em Bonfinópolis de Minas e foi morar em Brasília aos 14 anos e retorna à cidade natal em 2018. Durante os 20 anos em que passou na capital, a bonfinopolitana não desperdiçou as chances de crescer como pessoa e também como profissional, com garra e determinação. Além disso, conquistou algo não menos fundamental na sua caminhada: amigos. Isso mesmo. Para a jornalista não ter verdadeiros amigos significa ter uma vida vazia. E, com certeza, esse é um dos seus objetivos, fazer novos amigos nessa nova jornada da vida.