Epamig lança informe agropecuário sobre peixes ornamentais

Objetivo é ampliar o volume de informações destinadas aos produtores

459
Peixes
foto: reprodução da internet
Publicidade

No Brasil e no mundo, a demanda por peixes ornamentais vem crescendo nos últimos anos. A atividade possui uma gran­de importância social, ambiental e econômica, além de proporcionar renda para muitos empreendimen­tos familiares, seja em pequenas propriedades rurais, seja em zonas urbanas. Os principais atrativos são o bom retorno eco­nômico, o custo de implantação relativamente baixo e a enorme variedade de espécies.

Com o objetivo de ampliar o volume de informações destinadas aos produtores, a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) lança edição do Informe Agropecuário sobre Peixes Ornamentais que apresenta artigos sobre diversas espécies de peixes, manejo, sanidade, entre outros. A publicação, já disponível para aquisição na Livraria Epamig, será tema de um debate on-line agendado para quinta-feira (1/12), às 15h, com transmissão ao vivo pelo canal oficial da Epamig no YouTube.

O evento contará com a mediação dos pesquisadores da Epamig e editores técnicos dessa edição Alexmiliano Vogel de Oliveira e Francisco Carlos de Oliveira Silva. Os convidados são o zootecnista e consultor da Mizzu Consultoria Marcelo Assano, que ministrará a palestra “Importância dos peixes ornamentais”, os professores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Matheus Anchieta Ramirez e Daniela Chemim de Melo Hoyos e o diretor da LSKNutri, Rafael Alves Viana, que atuarão como debatedores.

Piscicultura ornamental

O Brasil apresenta grande potencial para a criação de peixes ornamentais, com muitas espécies nativas ainda pouco exploradas. Este mercado é muito promissor, considerando os altos valores comerciais que algumas espécies têm alcançado. A Zona da Mata mineira é considerada o maior polo produtor no país.

A criação de ornamentais, que se baseia em estrutura familiar de produção, ocorre na Região há apro­ximadamente 45 anos, em pequenas propriedades que não ultrapassam dois ou três hectares. A região responde por cerca de 70% da produção nacional, com mais de 12 milhões de unida­des produzidas por ano. O polo abrange municípios como Muriaé, Patrocínio do Muriaé, Vieiras, São Francisco do Glória, Miradouro, Rosário da Limeira, Eugenópolis e Barão do Monte Alto.

Diante disso, a Epamig, com outras instituições parceiras e produtores de peixes ornamentais, apresenta nesta edição informações relevantes sobre o mercado, o sistema de produção, as técnicas de manejo, a alimentação e a sanidade de cultivo das principais espécies de peixes ornamentais.

FONTEAgência Minas
Artigo anteriorCurso online e gratuito de circo e teatro recebe inscrições até terça (29)
Próximo artigoDoenças comuns nos anos 70 podem retornar devido à baixa procura pela vacinação infantil
Jornalista formada em Brasília tendo a Capital Federal como principal cenário de atuação nos segmentos de revista, internet, jornalismo impresso e assessoria de imprensa. Infraero, Engenho Comunicação, Portal Fato Online e Câmara em Pauta, Revista BNC, Assessoria de Comunicação do Sesc-DF, Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Rádio Nacional da Amazônia e Jornal GuaráHOJE/Cidades são algumas das empresas nas quais teve a oportunidade de trabalhar com alguns dos renomados nomes do jornalismo no Brasil, e não perdeu nenhuma chance de aprender com esses profissionais. Na televisão, atuou na TV local de Patos de Minas em 2017, além de experiências acadêmicas. Ana Paula Oliveira nasceu em Bonfinópolis de Minas e foi morar em Brasília aos 14 anos e retorna à cidade natal em 2018. Durante os 20 anos em que passou na capital, a bonfinopolitana não desperdiçou as chances de crescer como pessoa e também como profissional, com garra e determinação. Além disso, conquistou algo não menos fundamental na sua caminhada: amigos. Isso mesmo. Para a jornalista não ter verdadeiros amigos significa ter uma vida vazia. E, com certeza, esse é um dos seus objetivos, fazer novos amigos nessa nova jornada da vida.