20.5 C
Brasília
quinta-feira, julho 25, 2024
Banner Anuncio
Mais...

    Copasa passa a fazer parte de projeto que identifica falta de saneamento básico em escolas de Minas

    Com a finalidade de inclusão da Copasa no Termo de Cooperação Técnica (TCT) firmado, em 2022, entre o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e o Tribunal de Contas do Estado (TCE), foi assinado hoje, 30 de agosto, o primeiro aditivo ao TCT que tem o objetivo de estabelecer parceria para a realização de visitas técnicas às escolas cujos dados levantados pelo Projeto Sede de Aprender apontaram deficiências no sistema de abastecimento de água, bem como na sua potabilidade, no esgotamento sanitário e nos banheiros.

    BH_AssTCTAbastecimentoAgua_NOTICIA_DSC_7183.jpg
    Foto: Divulgação MPMG

    O Sede de Aprender é uma iniciativa que busca garantir água potável aos estudantes da educação básica do país. O projeto foi idealizado pelo Ministério Público de Alagoas (MPAL) após o censo escolar de 2021 apontar mais de 8 mil escolas brasileiras sem acesso à água potável. Em 2022, o projeto se tornou nacional. Foi então que o MPMG e o TCE firmaram o TCT para tratar do tema.

    A coordenadora do Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça de Defesa da Educação (Caoeduc), promotora de Justiça Ana Carolina Zambom, afirmou que em Minas o censo escolar identificou 157 escolas, distribuídas em 73 municípios, com problemas de fornecimento de água potável, de abastecimento e de esgoto. “São crianças, adolescentes e adultos que tentam vencer a barreira do analfabetismo, mas que, ao chegarem nas escolas, são afetados, diariamente, com a falta de água potável, que é o mínimo existencial”, disse.

    Para Zambom, com a união de esforços das instituições será possível, não apenas entregar água de qualidade, mas também dignidade a essas pessoas. Pelo acordo de hoje, a Copasa se compromete a coletar, transportar e analisar a qualidade da água consumida em determinadas escolas, na frequência e nos parâmetros estabelecidos pelo Ministério da Saúde. Em 30 dias, a concessionária deverá enviar as análises da qualidade da água consumida nessas escolas ao MPMG e ao TCE.

    O presidente da Copasa, Guilherme Duarte de Faria, disse que, “de fato, existem escolas que ao longo do tempo foram esquecidas pelo planejamento sanitário e pelo abastecimento dos municípios. Mas é de nosso interesse ajudar a mudar isso, pois queremos contribuir para universalizar do saneamento em Minas Gerais”, disse. Para isso, a concessionária instituiu, “de forma inédita, o programa Universaliza, Minas, que visa, justamente, levar a Copasa aos distritos e áreas rurais, historicamente, esquecidas dentro do planejamento da companhia”, o que inclui essas escolas.

    Já o conselheiro-presidente do TCE, Gilberto Diniz, elogiou a entrada da Copasa no TCT. Para ele, a união de esforços entre as instituições busca ajudar na consecução de direitos fundamentais: água e educação. Isso quer dizer, segundo ele, proporcionar dignidade humana. Em seguida, o procurador-geral de Justiça, Jarbas Soares Júnior, que o acordo simboliza o esforço entre as instituições para encontrar soluções. “Precisamos estar em sintonia para buscar os objetivos previstos na Constituição Federal”, afirmou o procurador-geral de Justiça se referindo aos direitos fundamentais ao saneamento básico e à educação.

    SourceMPMG


    Sobre Ana Paula Oliveira
    Jornalista formada em Brasília tendo a Capital Federal como principal cenário de atuação nos segmentos de revista, internet, jornalismo impresso e assessoria de imprensa. Infraero, Engenho Comunicação, Portal Fato Online e Câmara em Pauta, Revista BNC, Assessoria de Comunicação do Sesc-DF, Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Rádio Nacional da Amazônia e Jornal GuaráHOJE/Cidades são algumas das empresas nas quais teve a oportunidade de trabalhar com alguns dos renomados nomes do jornalismo no Brasil, e não perdeu nenhuma chance de aprender com esses profissionais. Na televisão, atuou na TV local de Patos de Minas em 2017, além de experiências acadêmicas.
    Ana Paula Oliveira nasceu em Bonfinópolis de Minas e foi morar em Brasília aos 14 anos e retorna à cidade natal em 2018. Durante os 20 anos em que passou na capital, a bonfinopolitana não desperdiçou as chances de crescer como pessoa e também como profissional, com garra e determinação. Além disso, conquistou algo não menos fundamental na sua caminhada: amigos. Isso mesmo. Para a jornalista não ter verdadeiros amigos significa ter uma vida vazia. E, com certeza, esse é um dos seus objetivos, fazer novos amigos nessa nova jornada da vida..

    Destaques

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    redes sociais

    0FãsCurtir
    0SeguidoresSeguir

    RECENTES