20.5 C
Brasília
quinta-feira, maio 23, 2024
Banner Anuncio
Mais...

    Municípios mineiros são certificados pelo trabalho de saúde contra a transmissão de HIV e ou sífilis da mãe para o bebê

    Doze municípios atingiram a meta de eliminação da transmissão de HIV e/ou sífilis como problema de saúde pública em Minas Gerais e, pelo desempenho, foram reconhecidos pelo Ministério da Saúde com selos de boas práticas e certificados. As entregas ocorreram durante evento em Brasília (DF), na sexta-feira (8/12).

    Em 2023, além da certificação da eliminação da transmissão vertical do HIV, foram avaliadas também as boas práticas rumo à eliminação da transmissão vertical da sífilis congênita.

    Os selos que certificam este aspecto são: selo ouro, prata e bronze.

    Para conseguir a eliminação e/ou selos de boas práticas, o município elegível precisa alcançar os indicadores de metas de impacto e de processos contidos no Guia para Certificação da Eliminação da Transmissão Vertical do HIV e/ou Sífilis, e selos de Boas Práticas para HIV e/ou Sífilis Congênita.

    Em Minas Gerais, municípios localizados na região Central, Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba, Sul e Zona da Mata foram contemplados com 19 selos ao todo.

    Cinco cidades receberam o Selo de Eliminação do HIV; sete foram certificadas com o Selo Prata de Boas Práticas (HIV); quatro municípios receberam o Selo Prata de Boas Práticas (sífilis) e dois o Selo Bronze de Boas Práticas (sífilis). Veja abaixo a tabela com a relação dos municípios e certificados, que possuem mais de 100 mil habitantes.

    Na sexta-feira (8/12), a Equipe Nacional de Validação (ENV), do Ministério da Saúde (MS), e referências técnicas da Coordenação Estadual de HIV/Aids e Hepatites Virais-CIST da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) participaram da entrega dos selos e crtificados.

    Eduardo Prosdocimi, subsecretário de Vigilância em Saúde da SES-MG, destacou a entrega como reconhecimento ao trabalho feito pelo Estado em conjunto com os municípios, a avaliou o resultado como positivo.

    “O manejo, a prevenção e, principalmente, a divulgação de informações corretas são fundamentais para combater infecções sexualmente transmissíveis”, reforçou.

    Em 2022, dos 43 municípios brasileiros contemplados na premiação, seis foram de Minas Gerais: Barbacena, Conselheiro Lafaiete, Coronel Fabriciano, Divinópolis, Montes Claros e Passos.

    Sete Lagoas

    Há 15 anos sem registrar casos de transmissão vertical do HIV (da mãe para o bebê), Sete Lagoas, na região Central, é um dos municípios contemplados com o Selo Ouro pelo Ministério da Saúde.

    Enfermeira da Vigilância Epidemiológica, Aline Souza atribui a avaliação ouro ao envolvimento da Secretaria Municipal de Saúde de Sete Lagoas de modo integrado e articulado entre as áreas.

    “Investimos no acompanhamento das gestantes para que elas façam um pré-natal de qualidade, realizamos busca ativa e acompanhamos mulheres que perderam alguma consulta ou exame”, explica a enfermeira.

    Os serviços básicos e especializados são importantes para todo o processo. “A gente sabe que essa gestante não está apenas na Atenção Básica, então é acompanhada em um atendimento completo, o que facilita a adesão ao tratamento e as ações de prevenção”, diz Aline.

    Segundo ela, a proximidade entre Centro Estadual de Atenção Especializada (Ceae), atenção básica e maternidades é um dos pontos de destaque que ajudaram a conquistar a certificação.

    Também enfermeira do Ceae, Ana Carvalho observa que também é realizado um trabalho intenso nos casos em que a mulher testa positivo para sífilis e/ou HIV, afim de que não haja transmissão para a criança.

    Nesse sentido, o aconselhamento pós-teste é crucial. “Esclarecemos para essa gestante a importância do tratamento e os riscos da contaminação para o bebê”, explica a enfermeira.

    “Neste momento, ela já é orientada sobre o acompanhamento, uso dos medicamentos regulares, atendimento pré e pós-parto, atendimento das crianças, processos para substituição da amamentação, o que também envolve risco de contaminação”, finaliza Carvalho.

    Testes e pré-natal

    Outro destaque é Muriaé, na Zona da Mata.

    O município recebeu dois Selos Prata de Boas Práticas para eliminação da transmissão vertical do HIV e da sífilis.

    Gestante, Adrielle Martins espera e primeiro bebê e faz todo o acompanhamento na Unidade da Estratégia Saúde da Família (Uesf) do bairro Aeroporto pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

    “A unidade é perto da minha casa e consigo fazer tudo lá, desde consultas, exames até testes rápidos”, relata Adrielle.

    Ela, que está com 19 semanas de gestação, recebo todo suporte da enfermeira, do médico e dos agentes de saúde.

    “Eu me sinto confortável e muito confiante de que tudo vai correr bem”, diz a futura mamãe.

    A enfermeira da Uesf Aeroporto, Ana Carolyna Assis, ressalta que o acompanhamento contínuo e próximo é o que faz a prevenção ser tão eficaz.

    “Não perdemos tempo quando uma gestante chega ao posto. Aplicamos os testes rápidos e marcamos a consulta de pré-natal com obstetra, já com os exames solicitados pela clínica geral da unidade”, explica.

    “Ao acolher e oferecer tudo o que a gestante precisa, conseguimos criar vínculo e ter sucesso no rastreamento de possíveis infecções. Assim, se for o caso, partimos para a prevenção da transmissão da mãe para o bebê”, completa a enfermeira.



    Sobre Ana Paula Oliveira
    Jornalista formada em Brasília tendo a Capital Federal como principal cenário de atuação nos segmentos de revista, internet, jornalismo impresso e assessoria de imprensa. Infraero, Engenho Comunicação, Portal Fato Online e Câmara em Pauta, Revista BNC, Assessoria de Comunicação do Sesc-DF, Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Rádio Nacional da Amazônia e Jornal GuaráHOJE/Cidades são algumas das empresas nas quais teve a oportunidade de trabalhar com alguns dos renomados nomes do jornalismo no Brasil, e não perdeu nenhuma chance de aprender com esses profissionais. Na televisão, atuou na TV local de Patos de Minas em 2017, além de experiências acadêmicas.
    Ana Paula Oliveira nasceu em Bonfinópolis de Minas e foi morar em Brasília aos 14 anos e retorna à cidade natal em 2018. Durante os 20 anos em que passou na capital, a bonfinopolitana não desperdiçou as chances de crescer como pessoa e também como profissional, com garra e determinação. Além disso, conquistou algo não menos fundamental na sua caminhada: amigos. Isso mesmo. Para a jornalista não ter verdadeiros amigos significa ter uma vida vazia. E, com certeza, esse é um dos seus objetivos, fazer novos amigos nessa nova jornada da vida..

    Destaques

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    redes sociais

    0FãsCurtir
    0SeguidoresSeguir

    RECENTES