Alunos do Cesec recebem livros do projeto Itaú Leia para uma criança

306
Captura de Tela 2019 05 25 às 00.53.14
Captura de Tela 2019 05 25 às 00.53.14

Os kits com dois livros infantis foram entregues no 3º Encontro de Leitura

O Centro de Educação Continuada Esméria Maria do Carmo, o Cesec de Bonfinópolis de Minas, promoveu o 3º Encontro de Leitura, na tarde dessa quarta-feira (12). O evento contou com bingo de livros e panetones, apresentação do grupo de teatro Flor de Lótus e dos próprios professores, música e leitura compartilhada. Mas, o que os alunos mais esperavam era receber os kits de livros infantis do projeto Leia para uma criança do Banco Itaú. Cerca de 50 foram entregues aos alunos. Cada envelope contendo dois livros.

Kits de livros do projeto Leia para uma criança.

Os exemplares foram solicitados pela biblioteca da instituição, no site do banco em outubro deste ano. Os pedidos foram nominais a cada um dos estudantes. A iniciativa partiu da bibliotecária Eliete Gonçalves, que há três anos faz o cadastramento dos alunos, para que eles possam receber os kits.

“Sempre tive o desejo de incentivar à leitura e o projeto do Itaú Social faz com que muitos tenham acesso aos livros. Sou apenas uma facilitadora desse objetivo”, disse. A professora explica que muitos dos alunos não têm acesso à internet e que, por isso, não conseguem pedir os livros no site. Ela ressalta que os livros recebidos são infantis, mas os jovens e adultos do Cesec podem ler para os filhos e até mesmo disseminar a leitura para muitas outras crianças.

Nesses três anos, quase 200 kits já foram distribuídos. Segundo Eliete, os alunos mais frequentes na semana de cadastramento, têm prioridade, mas, qualquer pessoa pode fazer o pedido. Geralmente, o cadastramento ocorre em outubro, no Dia das Crianças. Para isso, é preciso o nome completo e CPF. Só é possível solicitar um kit por pessoa.

Atualmente, o projeto do Itaú também disponibiliza livros digitais para serem lidos no celular. A coleção conta com dez exemplares. Os livros podem ser lidos de qualquer lugar, por meio da internet e proporcionam interatividade com áudio, animações e muita cor para estimular a imaginação dos pequenos. Não é preciso baixar aplicativo, é só escolher o livro e ler.   Saiba mais sobre o projeto Leia para uma criança.

Leia o poema de Érico Veríssimo, que foi falado durante o 3º Encontro da Leitura do Cesec

Poema

Ler…
Ler é o melhor remédio.
Leia jornal…
Leia outdoor…
Leia letreiros da estação do trem…
Leia os preços do supermercado…
Leia alguém!
Ler é a maior comédia!
Leia etiqueta jeans…
Leia histórias em quadrinhos…
Leia a continha do bar…
Leia a bula do remédio…
Leia a página do ano passado perdida no canto da pia enrolando chuchus…
Leia a vida!
Leia os olhos, leia as mãos. Os lábios e os desejos das pessoas…
Leia a interação que ocorre ou não entre física, geografia, informática, trabalho, miséria e chateação…
Leia as impossibilidades…
Leia ainda mais as esperanças…
Leia o que lhe der na telha…
…mas leia, e as ideias virão!
Luís Fernando Veríssimo

 

Eliete mostra livros de edições anteriores.
Professoras interpretando uma peça teatral.
Música Aleluia foi cantada.
Aluna do Cesec dá depoimento sobre a importância da leitura.
Grupo de teatro Flor de Lótus.
COMPARTILHAR
Artigo anteriorMédios produtores de Bonfinópolis participam de curso do Senar
Próximo artigoCOM-SER-TÃO discute saneamento básico de Bonfinópolis de Minas e valoriza cultura local
Jornalista formada em Brasília tendo a Capital Federal como principal cenário de atuação nos segmentos de revista, internet, jornalismo impresso e assessoria de imprensa. Infraero, Engenho Comunicação, Portal Fato Online e Câmara em Pauta, Revista BNC, Assessoria de Comunicação do Sesc-DF, Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Rádio Nacional da Amazônia e Jornal GuaráHOJE/Cidades são algumas das empresas nas quais teve a oportunidade de trabalhar com alguns dos renomados nomes do jornalismo no Brasil, e não perdeu nenhuma chance de aprender com esses profissionais. Na televisão, atuou na TV local de Patos de Minas em 2017, além de experiências acadêmicas. Ana Paula Oliveira nasceu em Bonfinópolis de Minas e foi morar em Brasília aos 14 anos e retorna à cidade natal em 2018. Durante os 20 anos em que passou na capital, a bonfinopolitana não desperdiçou as chances de crescer como pessoa e também como profissional, com garra e determinação. Além disso, conquistou algo não menos fundamental na sua caminhada: amigos. Isso mesmo. Para a jornalista não ter verdadeiros amigos significa ter uma vida vazia. E, com certeza, esse é um dos seus objetivos, fazer novos amigos nessa nova jornada da vida.