I Feira de Educação Empreendedora movimenta Bonfinópolis

405
Captura de Tela 2019 05 25 às 01.07.44
Captura de Tela 2019 05 25 às 01.07.44

A Prefeitura de Bonfinópolis levou o projeto e a Câmara Municipal aprovou a criação da Lei 1.253 de 2 de julho de 2018, que torna obrigatória a Educação Cooperativista Empreendedora e Financeira na rede municipal de ensino a partir de 2019

A população de Bonfinópolis de Minas lotou o ginásio da Escola Dercílio Duarte, no último 23 de novembro para acompanhar a I Feira Empreendedora da cidade, desenvolvida pelos alunos do ensino fundamental das escolas estaduais e municipais da cidade e áreas rurais. Deliciosas tapiocas, trufas de maracujá, pizzas de feijão e doce de leite, puderam ser saboreados pelo público. Fruto de um trabalho, que vai marcar a vida de estudantes e professores.

Blé - Blé - Blé - Blé -Blé - Blé -Blé - Blé -

 

A iniciativa faz parte do Programa Nacional de Educação Empreendedora fomentado pelo Sebrae no início de 2014. Durante todo o ano professores foram capacitados pela instituição para trabalhar com os alunos dentro de sala de aula. 

Assim como em outros municípios, a Prefeitura de Bonfinópolis levou o projeto e a Câmara Municipal aprovou a criação da Lei 1.253 de 2 de julho de 2018, que torna obrigatória a Educação Cooperativista Empreendedora e Financeira na rede municipal de ensino a partir do ano que vem. O objetivo é despertar o espírito empreendedor nas crianças para que, na fase adulta, estejam preparadas e não fiquem desnorteadas diante de uma situação de desemprego.

Presente na feira, a analista técnica do Sebrae Jéssica Viana explicou que as vantagens vão além. “Teremos jovens com pensamento crítico, que queiram inovar, ter independência e autonomia. E, quem almeja ter um emprego também pode ter um comportamento de empreendedor na empresa em que for trabalhar. Não é necessariamente abrir uma empresa, é ter uma visão diferente em relação ao futuro de uma maneira geral”, elencou.

Jéssica acrescentou que o Sebrae acredita que os futuros empreendedores devem ser preparados desde o início da vida escolar, de modo que eles possam estimular as 10 características de um empreendedor, que é, por exemplo: ter bom relacionamento, saber gerir recursos, ter uma rede de contatos, uma visão sistêmica e saber correr riscos. “Todas essas habilidades, a gente estimula por meio de atividades nas salas de aula, coordenadas pelo professor. Ele dá suporte, mas o objetivo é fazer com que o aluno seja o protagonista”, ressaltou.

Desde o início do ano, os professores escolheram projetos que são convergentes com a realidade do município, como a utilização do maracujá, milho, mandioca e hortaliças. “Os alunos desenvolvem os produtos, fabricam, fazem a análise dos insumos necessários, do preço que vão cobrar”, concluiu a representante do Sebrae.

 

Empolgado em seu discurso, o prefeito do município, Donizete Antônio dos Santos, ressaltou a importância desse tipo de temática nas escolas. “Quando a gente fala de empreendedorismo não é apenas criar um negócio é empreender em todas as ações que se propor a desenvolver, desde as nossas ações em casa, com os nossos pais, as nossas ações nas escolas, as nossas ações em sociedade e enquanto profissionais também”, exemplificou.

Santos contou que a cidade de São Roque de Minas, que é referência na educação empreendedora e no cooperativismo no estado inspirou a implantação da disciplina na Educação de Bonfinópolis e defendeu a devida valorização do dinheiro.

Prefeito Donizete Antônio dos Santos.

“Muitas vezes, temos preconceitos com quem é rico achando que ser rico não é uma qualidade. Se buscada com ética e coerência é um dever de todos nós. Todos nós temos o direito de ter uma vida com abundância. E, para isso o dinheiro é muito importante e o empreendedorismo é fundamental. Por isso, não é demérito nenhum a pessoas quererem ganhar dinheiro, desde que busque essa riqueza com respeito ao próximo”, declarou.

Donizete aproveitou para enaltecer o que é produzido na região de Bonfinópolis e exportado para o exterior. “Nossa agricultura que é muito boa. A chapada gera mais de mil empregos diretos. Para um município de cinco mil habitantes é uma importância muito grande. Temos uma fazenda com 400 hectares de plantação de laranja, que é considerada a melhor do país. Uma empresa que exporta café para o Japão, exportação de feijão, que 500 g dele é vendido na Europa por 7 Euros. Além disso, produção de bovino, suíno e leite”, discursou, o prefeito.

De acordo com a secretária municipal de Educação, Helena Mendes, o recurso arrecadado com as vendas dos produtos será dividido entre escola e alunos. A secretária disse também que em parceria a Prefeitura Municipal, Câmara e Sicoob, a Secretaria Municipal de Educação ofereceu R$ 200 para cada turma produzir algum alimento ou artesanato para comercializar na feira. Além desse valor, familiares e comerciantes local também deram uma forcinha para o negócio dos estudantes.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorAulas de Tai chi chuan melhoram a saúde de frequentadores
Próximo artigoLívia Matos encerra mandato à frente da presidência da Câmara
Jornalista formada em Brasília tendo a Capital Federal como principal cenário de atuação nos segmentos de revista, internet, jornalismo impresso e assessoria de imprensa. Infraero, Engenho Comunicação, Portal Fato Online e Câmara em Pauta, Revista BNC, Assessoria de Comunicação do Sesc-DF, Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Rádio Nacional da Amazônia e Jornal GuaráHOJE/Cidades são algumas das empresas nas quais teve a oportunidade de trabalhar com alguns dos renomados nomes do jornalismo no Brasil, e não perdeu nenhuma chance de aprender com esses profissionais. Na televisão, atuou na TV local de Patos de Minas em 2017, além de experiências acadêmicas. Ana Paula Oliveira nasceu em Bonfinópolis de Minas e foi morar em Brasília aos 14 anos e retorna à cidade natal em 2018. Durante os 20 anos em que passou na capital, a bonfinopolitana não desperdiçou as chances de crescer como pessoa e também como profissional, com garra e determinação. Além disso, conquistou algo não menos fundamental na sua caminhada: amigos. Isso mesmo. Para a jornalista não ter verdadeiros amigos significa ter uma vida vazia. E, com certeza, esse é um dos seus objetivos, fazer novos amigos nessa nova jornada da vida.